Análise – Tomb Raider

Quando anunciaram o reboot de Tomb Raider o sentimento que todo gamer deve ter sentido era um misto de alegria com apreensão, e ao longo do tempo com a divulgação dos vídeos e imagens a expectativa em relação a Tomb Raider cresceu até chegar em um dos jogos mais esperados do ano.

tomb_raider_2013

O 1PGames zerou o jogo, e essa análise irá mostrar por que Tomb Raider não é apenas o reboot de uma série de sucesso, mas sim um exemplo de que é possível atualizar, rejuvenescer e levar uma série famosa a um patamar em que ela nunca havia alcançado, Tomb Raider consegue ser uma homenagem ao passado ao mesmo tempo em que anda a passos largos e firmes em direção ao futuro. Se você estava pensando que Tomb Raider é uma cópia de Uncharted, você está enganado. Tomb Raider aprendeu com Uncharted, e conseguiu fazer melhor em vários aspectos. O jogo é uma junção de praticamente todas as funcionalidades consagradas que vimos em diversos jogos da geração, mas cada uma delas é utilizada da melhor forma possível, fazendo de Tomb Raider uma experiência única em termos de jogabilidade, mesmo se utilizando de recursos que já estávamos carecas de conhecer.

Jogabilidade perfeita

Análise Tomb Raider 1

Todos nós já estamos cansados de jogos com mecânicas baseadas em QTE’s (quick time events), ou tiroteios em terceira pessoa com o sistema de take cover, ou ainda evolução e upgrade de armamento ao longo do jogo, a lista é extensa e ainda podemos colocar na conta o modo sobrevivência (semelhante ao modo detetive de Batman), cenas em slow motion e ação stealth. Tudo isso é coisa velha, e ao longo dessa geração vimos muitas vezes o quanto elas podem ser muito mal executadas, e é nesse ponto que Tomb Raider mostra ao que veio. Mesmo usando de mecanismos muito conhecidos, a sensação é de que a jogabilidade do jogo é algo completamente novo, em que tudo funciona em uma harmonia incrível fazendo parecer que cada elemento da jogabilidade é natural.

Análise Tomb Raider 7

Tudo está em seu lugar e acontece na hora e do jeito certo, as QTE’s por exemplo aparecem não só nas cutscenes mas também em determinados pontos do combate, que nem sempre são previsíveis, além disso errar um comando pode levar a um desfecho completamente diferente e as possibilidades de morte de Lara são praticamente infinitas, bater em uma árvore na fase da queda de paraquedas por exemplo, pode resultar em um galho atravessado no peito, ou uma morte por estrangulamento ao chegar perto de um inimigo muito grande. Ponto positivo para o desafio oferecido para finalizar o jogo, jogando no hard tive diversos trechos de dificuldade tremenda tanto para matar os inimigos ou descobrir o funcionamento dos puzzles.

Análise tomb raider 2

Além disso o sistema de evolução do jogo acrescenta novidades e novos equipamentos ao longo de toda campanha, sempre tendo algo novo para aprender, mesmo nos momentos finais. Vale ressaltar que a câmera nas situações de combate é um ponto extremamente positivo e muitas vezes valoriza ainda mais as sequências cinematográficas. O jogo tem uma cardápio de mecânicas extremamente variado e pouco linear, cheio de puzzles inteligentes como é de costume na franquia, várias possibilidades de jogabilidade stealth ou combate frenético cuja decisão fica a cargo do jogador, que também pode revisitar os principais pontos da ilha através do sistema de viagem rápida, que torna a exploração de áreas anteriores interessante e prazerosa.

Nota da jogabilidade: 10

Nasce uma sobrevivente e uma nova Lara Croft

Análise Tomb Raider 3

Tomb Raider é incrível em vários quesitos, mas sua maior conquista foi criar uma relação profunda entre jogador e protagonista. A nova Lara Croft é tudo que qualquer personagem de jogo quer ser: quase real. O jogo te coloca na pele de uma Lara Croft humana, que tem medo, se supera, sofre e sente dor, mas acima de tudo te coloca na pele de uma protagonista que cresce e evolui em todos os sentidos, tudo isso embalado por uma história de misticismo e de exploração, que mistura a culpa pelos seus erros, a dor da perda e a força de vontade para se superar nos momentos de adversidade. Em uma ilha repleta de segredos e de animais selvagens, você encara um culto  assassino em uma saga pela sua sobrevivência e dos seus amigos, cheia de reviravoltas e descobertas.

Análise Tomb Raider 8

O roteiro é digno de um filme de Hollywood, e a forma com que a história é contada é simplesmente impecável, uma coias é certa: você vai se apaixonar pela nova Lara Croft. A única ressalva nesse ponto é que os personagens coadjuvantes estão muito abaixo do nível da protagonista, e mesmo o vilão peca um pouco por falta de carisma.

Nota História: 9.7 

Uma aventura de encher os olhos

Análise Tomb Raider 4

É fato que os jogos lançados ao fim de uma geração normalmente são os melhores em questão de gráficos, e Tomb Raider  não é exceção. As expressões dos personagens estão bem acima da média e as paisagens da ilha são simplesmente lindas, bem como as texturas dos personagens e a movimentação dos mesmos. As explosões são outro ponto de destaque, sempre bem detalhadas e realistas, sem falar das sequências cinematográficas muito bem executadas, que trazem emoção e adrenalina a jogabilidade. As fases onde há chuva são de encher os olhos e mostram o capricho com que o jogo foi feito, além de um ótimo jogo, Tomb Raider é uma referência gráfica para qualquer jogo dessa geração, ficando em pé de igualdade com Uncharted e outros medalhões.

Nota Gráficos: 9.7

O som da sobrevivência

Análise Tomb Raider 5

A trilha sonora do jogo te passa exatamente a sensação de estar sozinho em uma ilha desconhecida, com todos os seus sentidos aguçados, escutando cada passo do inimigo suas vozes ecoando pelos corredores de uma caverna. Jogar Tomb Raider com som surround foi uma das melhores experiências gamisticas que já tive, as flechas zunindo de todos os lados, explosões que fazem a sala tremer e gritos de intimidação e ameaças dos  inimigos vindos de todas as direções, sem falar no trabalho impecável da orquestra que causa verdadeiros momentos de medo e suspense em determinados pontos.

Nota Trilha Sonora: 10

Conclusão

Analise Tomb Raider 6

Tomb Raider é um jogo que você precisa jogar nessa geração, sem dúvidas uma obra prima, que coloca Lara Croft novamente no topo dos jogos eletrônicos. É sem dúvida o melhor jogo já feito da franquia, que soube se atualizar e aprender com os acertos de outros games, construindo uma jogabilidade sólida e fluída e que muitas vezes consegue melhorar mecânicas já consagradas. Possui uma história intrigante, cheia de reviravoltas e descobertas, mas que tem como seu maior mérito a relação criada entre o protagonista e o jogador, tudo isso com gráficos estonteantes e uma trilha sonora feita sob medida para uma aventura épica. Você não vai querer apenas jogar Tomb Raider, vai querer jogar e rejogar um milhão vezes.

Nota final: 9.8

Veja também outras análises de jogos aqui no 1PGames .

1PGames – O Blog de games onde você é o primeiro controle

Grisa
Gamer desde pivetinho, já passou por situações extremas do mundo gamer, como noites escuras ao volante em River Raid, lutas sangrentas de Street Fighter, disputas com terroristas no Call of Duty e até uma partida infinita de jogo da velha. Se você tem alguma dúvida sobre um jogo, esse é o cara para perguntar.

Trackbacks for this post

  1. Novidades, Jogos e Muitos Descontos para Xbox Gamers

Tem algo a dizer? Manda ver!